Arquitetura líquida e Música congelada.

São diversos os tipos de Arte, que variam desde pintura e escultura até artes mais recentes como quadrinhos e fotografia, a qual já foi relacionada com a Arquitetura em outro post aqui no blog, vale a pena conferir. Hoje o texto será sobre a Música e a relação desta com as nossas cidades e, é claro, com a Arquitetura.

Quando pensar na ideia de comparar estas duas, você pode achar dificuldades em relacioná-las de imediato. A percepção delas se dá de forma distinta, uma através da visão e tato, a outra pela audição. Pelo menos estes são os sentidos mais evidentes para cada uma, porém você verá que é possível ouvir Arquitetura e ver Música, uma sempre lado a lado da outra.

Relação Direta

A relação mais direta e óbvia que podemos pensar é na utilização de edificações para fins musicais. Sons são ondas que se propagam pelo ar e ao colidir em superfícies podem refletir, ser absorvidas ou continuar na mesma direção. Ou seja: as formas das edificações afetam diretamente no som que ouvimos. Auditórios, teatros, cinemas, casas de show, todos eles e outros exemplos devem ser pensados durante o projeto para proporcionar sons de qualidade. Uma orquestra num teatro obterá melhores resultados e um som mais emocionante se sua música tiver a ajuda do ambiente.

Abaixo temos imagens da Ópera de Sydney, que é o cartão postal mais famoso de Sydney, na Austrália. Um bom exemplo para analisarmos a relação de Música e Arquitetura.

É possível visualizar como o interior do teatro foi projetado com o objetivo claro de dar qualidade sonora para o público e como tudo se volta para a fonte musical. (Foto: Jozef Vissel)

Exterior da Ópera de Sydney (Foto: Jozef Vissel)

 

 

Relação Histórica

Ambas as expressões artísticas são um retrato da época que são criadas. Não é a toa que Arquitetura Neoclássica e Música Clássica têm tanto em comum, por exemplo. Retratos de uma sociedade que buscava racionalidade e simplicidade, tanto a Música quanto a Arquitetura deste período apresentam simetria, repetições e uma retirada dos excessos de adornos que havia no período Barroco.

 

Partitura da Nona Sinfonia de Beethoven, mesmo que não se tenha conhecimento musical para ler a partitura em si, é possível ver que há um padrão de repetições das notas e a distancia entre as notas se mantém quase sempre a mesma.

Panteon, em Paris, com sua simetria e repetições de elementos sempre nas proporções consideradas ideais na época.) Foto: Camille Gévaudan

 Já no período Barroco, essas artes eram extravagante e cheias de detalhes e informações aparentemente menos organizadas.

Partitura de Bach, compositor Barroco, podemos notar a diferença em relação a partitura de Beethoven.

Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitencia, Centro, Rio de Janeiro (Foto: Flávio Veloso). Nota-se que ambas as artes focam em detalhes e que cada pedaço do todo tem bastante informação pra absorver.

Relação Conceitual

Muitos podem pensar que Música é só uma união de notas, mas esta é muito mais complexa que isto. As notas devem ser harmônicas entre si, nem todas as notas podem estar umas com as outras, assim como na Arquitetura nem todos os elementos combinam entre si. Na música o tempo entre as notas mudam a percepção da melodia, assim como o espaçamento dos elementos arquitetônicos afetam nossa percepção do espaço. Os momentos de silêncio da música também fazem parte dela, assim como os vazios nos ambientes construídos. Música é uma união de elementos: notas, técnicas, ritmo, tempo, harmonia. Arquitetura é estrutura, fechamentos, paisagismo, decoração, forma, materiais, iluminação. Ambas são complexas e possuem inúmeras semelhanças de conceitos sendo ritmo o mais visível deles. Abaixo podemos ver exemplos de ritmo em edificações

Palácio da Alvorada
(Donatas Dabravolskas/ shutterstock.com)

Sede da editora Mondadori. Arquiteto Oscar Niemeyer
foto Luciomon [Wikimedia Commons]

O ritmo pode ser gerado através de luzes e sombras também. (: http://construindodecor.com.br/iluminacao-externa-jardins-fachadas/)

Deu pra notar que as relações entre Arquitetura e Música são muitas. E é fato que quando bem projetadas e executadas ambas podem nos deixar de queixo caído e até mesmo nos emocionar.
Para finalizar, deixo a imagem de um projeto que considero simbolizar bem este texto, junto a uma frase de Johann Wolfgang von Goethe,

 

“A Música é Arquitetura líquida; Arquitetura é música congelada”.
 

O Urban Planning Exhibition Hall (Foto: Zhang Anhao/Imaginechina/AFP)

 

 

Link para post sobre Arquitetura e Fotografia:

https://www.archdesign.arq.br/blog/a-arquitetura-pelas-lentes-da-fotografia/

Referências:

http://44arquitetura.com.br/2017/09/arquitetura-acustica-desenvolver-bem/

 http://mverzaro.com.br/archives/535

https://www.viajoteca.com/uma-visita-ao-pantheon-em-paris/

http://mundo-e-arte.blogspot.com/2014/12/arquitetura-opera-de-sidney.html

https://www.archdaily.com.br/br/784303/classicos-da-arquitetura-pera-de-sydney-jorn-utzon/5037e2e828ba0d599b00023d-ad-classics-sydney-opera-house-j%C3%B8rn-utzon-image