COBOGÓS – iluminação + privacidade

Os cobogós são peças vazadas, de inúmeros tipos de materiais, que são capazes de fornecer privacidade ao ambiente, sem barrar a entrada de luz e ventilação naturais. É um elemento tipicamente brasileiro que se popularizou na década de 50, mas surgiu no Recife já no fim da década de 1920.

O nome foi dado por causa das primeiras sílabas dos sobrenomes dos criadores, que são Amadei Coimbra (CO), Ernest Boeckman (BO) e Antônio de Góis (GÓ). Eram engenheiros pernambucanos que, em busca de um elemento que fosse capaz de cobrir fachadas e ao mesmo tempo permitir a passagem de ar, projetaram um tipo de tijolo vazado. Da mesma maneira que o tijolo cerâmico, necessita de assentamento, só que por ser uma peça que possui todas as juntas perpendiculares e coincidentes, não necessita de amarração. Assim como no caso dos tijolos de vidro, é recomendável que se utilize barras de aço dentro das juntas de argamassa, dando maior sustentação ao conjunto.

Hoje em dia se encontram tipos de cobogós de diversas formas e cores, atendendo às mais diversas solicitações. Quanto aos tipos de materiais, o mais utilizado é o cobogó de concreto, mas é possível também encontrá-lo de cerâmica e até de vidro.

 

Cobogó de concreto
Fonte: Leroy Merlin

 

Cobogó de gesso
Fonte: Blog do gesseiro

 

Cobogó de cerâmica
Fonte: Leroy Merlin

 

Cobogó de cerâmica pintada
Fonte: Leroy Merlin

 

É um item decorativo que promove diversão, leveza e ainda privacidade aos diversos ambientes que pode ser inserido. Está presente tanto em casas de alto padrão, quanto em casas mais simples. Com a incidência solar nessa peça, são produzidas sombras com diversos desenhos no chão e paredes, criando um efeito muito bonito e diferente.

 

É muito comum a confusão entre os usos do cobogó e de brises. No entanto, a diferença entre esses dois elementos é bem pontual e de fácil identificação. O brise funciona para proporcionar mais conforto ao ambiente, nos quesitos iluminação e ventilação. O cobogó também assume essa função, só que além do conforto térmico que é capaz de promover, funciona como elemento de vedação, entre ambientes, ou terrenos, exercendo o papel de muro.

 

Esse objeto possui uma diversidade enorme de possibilidades, e é aí que entra a criatividade do arquiteto e sua capacidade de melhor utilizá-lo. Alguns exemplos:

Julia Ribeiro/Barbara Dundes – Dundes Arquitetura + Design

 

Naomi Abe para a CASACOR SP 2018

 

Carol Vilela – Arquitetura & Design

Casa Cobogó – Ney Lima

 

Casa Jardins – CR2 Arquitetura

 

Casa Cobogó – Studio MK27

 

E para finalizar, mas não menos importante, um projeto elaborado pelo nosso escritório, a Casa do Cobogó:

 

Casa do Cobogó – ArchDesign

 

FONTES: https://www.vivadecora.com.br/revista/cobogo/

https://www.escolaengenharia.com.br/cobogo/

https://www.archdaily.com.br/br/914453/casas-brasileiras-11-residencias-com-cobogo